Familia Cotrim

Citacoes


capitão Antonio Xavier de Carvalho Cotrim

1Erivaldo Fagundes Neves, Formação e desenvolvimento da estrutura de propriedade, posse e uso da terra no Alto Sertão da Bahia.
"Fazenda Brejo dos Padres - Em 1822 inventariaram uma parte nos espólios do capitão Antonio Xavier de Carvalho Cotrim e sua mulher Joana Fagundes da Silva."

2Pesquisa feita por Erivaldo Fagundes Neves nos arquivos da Torre do Tombo (Portugal).
" Foi seu padrinho João Xavier da Silveira, de quem adotou o nome Xavier. Saiu de Portugal a 01/02/1735."

3Dário Teixeira Cotrim, O Distrito de Paz do Gentio - e a história sucinta de sua decadência (A "Penna" editora gráfica ltda.), pg 39.
"Antonio Xavier de Cavalho Cotrim veio de Portugal e quando aqui chegou casou-se com dona Joana Rodrigues da Silva. Com o correr dos anos Antonio concluiu que após tanta luta, tanto esforço e tanto sofrimento, não passava de um simples roceiro, não obstante possuir léguas e mais léguas de terras na bacia hidrográfica do rio Carnaíba de Dentro. Antônio e dona Joana forma os pais de Manuel Xavier de Carvalho Cotrim I ..."


Benedito Manuel Xavier de Carvalho Cotrim

1Dário Teixeira Cotrim, O Distrito de Paz do Gentio - e a história sucinta de sua decadência (A "Penna" editora gráfica ltda.), pg 50.
"No ano de 1735 chegava de Portugal para cá o primeiro membro da família dos Cotrim. Chamava-se Bernardo Diogo José de Carvalho Cotrim, nascido em 1707. Assim que chegou na cidade de Caetité, uniu-se aos Brito Gondim e foram os maiores proprietários de terras da região Centro Sul do Estado da Bahia. Eram as fazandas "Barro Preto", "Ingazeira", "Cerqueira", "Jatobá" e "Espirito Santo" as propriedades da conspícua família dos Cotrim."


Manoel Xavier de Carvalho (I) Cotrim

1Erivaldo Fagundes Neves, Formação e desenvolvimento da estrutura de propriedade, posse e uso da terra no Alto Sertão da Bahia.
"Em 1861 inventariaram outra (parte da fazenda Barro Vermelho) para Manoel Xavier de Carvalho Cotrim, viúvo de Maria Angélica de Jesus e filho de Antônio Xavier de Carvalho Cotrim e Joana Fagundes da Silva."


Inocencio José Pinheiro Pinto

1Site da cidade de Brumado (Ba) (www.brumadonet.com.br/descobrindobrumado).
"Terceiro Senhor (*) > Inocêncio José Pinheiro Pinto ( Canguçu ) (1795 - 1861)
O Terceiro senhor adota o nome de Canguçu em 1830, porque odiava os portugueses, por isso, trocou Pinto por Canguçu que significa Onça Feroz.

Inocêncio Jose Pinheiro Canguçu, casado com Prudência Rosa da Santa Edwirgens, teve 10 filhos legítimos e 10 ilegítimos. Um dos filhos, Leolino Canguçu, raptou a jovem Pórcia Carolina da Silva, mãe de Castro Alves. A família Canguçu travou muitas lutas com as famílias Castro e Moura ( 1844 a 1847 ).

Foi de todos os proprietários do Sobrado do Brejo o que teve mais terras, mas foi também, o que mais esbanjou a riqueza de seus antecessores. Esteve envolvido em assassinato e ficou foragido por muito tempo.

Em 1861, morre aos 66 anos e deixa como herdeiro do Sobrado do Brejo o seu filho Exupério Pinheiro Canguçu, que adquiri o controle da fazenda em 1838.

(*) da fazenda Brejo do Campo Seco."

2Amir Cotrim, Estudo sobre as origens da família Cotrim, manuscrito, cópia com Francisco Cotrim Miranda.
"Inocêncio teve dois filhos homem: Exuperio - " aquele que lia latim e não errava um tiro, moço as direitas, flôr da raça desabrochada nas Urzes" (Pedro Calmon) e Leolino - "...belo rapaz, alto, desempenado, valente, aventureiro..." A. Peixoto.
Inocêncio teve também filhas e várias irmãs e provavelmente uma delas se casou com um Cotrim e foi mãe ou tia de nosso avô Leolino(*) , que recebeu o nome do tio.

(*) o Tenente Coronel Leolino Xavier Cotrim."

3Lycurgo Santos Filho, Uma Comunidade Rural do Brasil Antigo.
"Exagerava-se o odio ao portugues e o Imperador vacilava no trono. Lusofobos despojavam-se de seus nomes em troca de outros americanos, indigenas,etc.: - Montezuma, Sinimbu, Tanajura, Canguçu, etc."