Familia Cotrim

Citacoes


Major Constantino Jose de Faria

1Caetité "Pequenina e Ilustre", pg 126.
" Constantino Jose de Azevedo foi criado, assim como Bernardina, por Manoel José de Faria. Em sinal de gratidão adotou o sobrenome Faria. Posteriormente casou-se com sua irmã de criação."

2Edward Fraga, Site da Familia Fraga (www.frmfraga.hpg.com.br).
"CONSTANTINO JOSÉ DE FARIA, filho de joão José Gomes de Azevedo e Maria Francisca, adotado pelo casal Constantino José de Faria e sua mulher Ana Teresa de Jesus Ladeia, nasceu no ano de 1813, em Caetité.
Seus pais adotivos, casados em 1806e, decorridos sete anos, não tendo filhos, resolveram adotá-lo. Seu nome foi escolhido em homenagem ao pai que casou-se já bem maduro sendo assim conhecido como "Velho Faria", por sinal que muito rico.
Após dez anos de casado morre o "Velho Faria " e o menino fica sozinho com a mae Jovem e bonita. Resolve então Ana Teresa a se casar com o fidalgo português Bernardo Antonio Cardoso em 1818, com quem tambem não teve filhos adotando assim em dezembro de 1819, uma sobrinha rescem nascida, filha de sua irmã Clemencia que recebeu o nome de Bernardina e assim.... Constantino ganhou uma irmãzinha.
Constantino fez curso primário em Caetité-BA, depois estudou por vários anos no afamado Colégio de Minas Gerais "Caraça". Era rapaz de grande inteligencia que não pôde se formar porque a mãe ficou muito doente e o chamou para que ficasse a testa dos negócios que eram de grande vulto.
Ana Teresa pensando que a morte se aproximava resolve fazer o casamento dos filhos adotivos, isto no ano de 1832, Conatantino estava com 19 anos e Bernarda com 13 anos. Foi um casamento ajustado que deu muito certo. Mas a felicidade durou pouco tempo. Constantino apanhou uma pneumonia e acabou falecendo no dia 23 de Novembro de 1840, com 27 anos.
Constantino e Bernardina brilharam pela inteligencia. Sobresaindo-se nos Saraus de Caetité com seu desembaraço, declamando poesias dos poetas da época, apresentando peças teatrais, sempre a mais sofisticada era a de Romeu e Julieta.
Constantino e Bernardina tiveram cinco filhos: Maria Amélia, Amélia Maria, Joaquim José, João José, Manoel José."


Bernardina de Jesus Ladeia

1Caetité "Pequenina e Ilustre", pg 126.
" Foi criada por Manoel José de Faria, português que viveu no lugar chamado Canabrava,na freguesia de Caetité ,e que era casado com Ana Teresa de Jesus Ladeia, filha de Lourença Rodrigues Ladeia.
Bernardina ficou viúva de Constantino e se casou com Domingos, irmão do padre Manoel Jose Gonçalves Fraga."

2Edward Fraga, Site da Familia Fraga (www.frmfraga.hpg.com.br).
BERNARDINA DE JESUS CARDOSO, filha de Clemencia Rodrigues Ladeia e José Fernandes de Araujo, nasceu em Caetité-BA, foi adotada pela tia Ana Teresa (Vó Donana). Casou-se na mesma cidade em 1832 com 13 anos de idade, com Conatantino José de Faria, que para esse fim viera do afamado "Colégio Caraça", de Minas Gerais.
Bernardina e Constantino eram de uma inteligencia invejável. Naquele tempo mulheres mal sabiam assinar o nome, Bernardina escrevia com desenvoltura deixando cartas escritas para seu neto Dr. Constantino Gonçalves Fraga que estão em poder de Enedina Gonçalves Fraga, licenciada em pedagogia pela faculdade Sedes Sapientiae regida pelas cônegas de Santo Agostinho, em São Paulo.
Bernardina e Constantino formavam um casal feliz, mas essa felicidade foi passageira, Constantino falecera após oito anos de casamento, deixando-a viuva com cinco filhos: Maria Amélia, Amélia Maria, Joaquim José, João José e Manoel José.
Bernardina ainda muito jovem, resolve se casar novamente e toma como esposo Domingos Gonçalves Fraga com trinta e quatro anos, de quem teve sete filhos: Ana Teresa, José Joaquim, Augusto, Clemencia Benigna, Cesar, Lucília, Lauro.
Bernardina viuva pela segunda vez, mudou-se para São Paulo, cidade de Jaú, residindo com sua filha Lucília, casada com Mnoel José da Costa Negrais.
Está sepultada no Cemitério de Jaú, desde 1909, na quadraB, Rua T-24.


Bernardina de Jesus Ladeia

1Caetité "Pequenina e Ilustre", pg 126.
" Foi criada por Manoel José de Faria, português que viveu no lugar chamado Canabrava,na freguesia de Caetité ,e que era casado com Ana Teresa de Jesus Ladeia, filha de Lourença Rodrigues Ladeia.
Bernardina ficou viúva de Constantino e se casou com Domingos, irmão do padre Manoel Jose Gonçalves Fraga."

2Edward Fraga, Site da Familia Fraga (www.frmfraga.hpg.com.br).
BERNARDINA DE JESUS CARDOSO, filha de Clemencia Rodrigues Ladeia e José Fernandes de Araujo, nasceu em Caetité-BA, foi adotada pela tia Ana Teresa (Vó Donana). Casou-se na mesma cidade em 1832 com 13 anos de idade, com Conatantino José de Faria, que para esse fim viera do afamado "Colégio Caraça", de Minas Gerais.
Bernardina e Constantino eram de uma inteligencia invejável. Naquele tempo mulheres mal sabiam assinar o nome, Bernardina escrevia com desenvoltura deixando cartas escritas para seu neto Dr. Constantino Gonçalves Fraga que estão em poder de Enedina Gonçalves Fraga, licenciada em pedagogia pela faculdade Sedes Sapientiae regida pelas cônegas de Santo Agostinho, em São Paulo.
Bernardina e Constantino formavam um casal feliz, mas essa felicidade foi passageira, Constantino falecera após oito anos de casamento, deixando-a viuva com cinco filhos: Maria Amélia, Amélia Maria, Joaquim José, João José e Manoel José.
Bernardina ainda muito jovem, resolve se casar novamente e toma como esposo Domingos Gonçalves Fraga com trinta e quatro anos, de quem teve sete filhos: Ana Teresa, José Joaquim, Augusto, Clemencia Benigna, Cesar, Lucília, Lauro.
Bernardina viuva pela segunda vez, mudou-se para São Paulo, cidade de Jaú, residindo com sua filha Lucília, casada com Mnoel José da Costa Negrais.
Está sepultada no Cemitério de Jaú, desde 1909, na quadraB, Rua T-24.